CORREÇÃO DE ORELHA DE ABANO (OTOPLASTIA)

OTOPLASTIA (CORREÇÃO DE ORELHA DE ABANO)

O termo otoplastia refere-se à cirurgia plástica das orelhas, podendo corresponder a várias técnicas que podem ou não ser associadas, dependendo do problema a ser tratado. Em geral o termo é usado para indicar a correção de orelhas proeminentes (de abano), porém outros problemas como sequelas de traumas, ausência congênita das orelhas e orelhas constritas também são tratadas com técnicas de otoplastia.

BULLYING

Muitas vezes motivada por situações de bullying e problemas com autoestima, a otoplastia é um dos procedimentos estéticos mais comuns em crianças e adolescentes. A cirurgia plástica corrige orelhas de abano, que têm origem genética e atingem de 2% a 5% da população. Ela pode ser feita a partir dos seis anos, idade em que as orelhas chegam a quase 100% do tamanho final. O bullying é um termo usado para definir violência física ou psicológica repetidamente, que causam sequelas psicológicas no agredido. O termo é novo mas a prática do bullying é muito antiga. Quem possui alguma anormalidade física pode sofrer com o preconceito e com comentários jocosos. As crianças com orelha de abano são prováveis vítimas do bullying.

AVALIAÇÃO MÉDICA, PRIMEIRO PASSO

O primeiro passo é a avaliação médica: O paciente será submetido a uma avaliação no consultório, sendo o médico responsável pela orientação ou não da cirurgia da orelha de abano. Atenta-se nestes casos aos riscos e cuidados pós operatórios.

CORREÇÕES

As correções de orelha são realizadas para minimizar deformidades, tentar corrigir assimetrias de forma, tamanho e angulação no caso do abano, em orelhas mal formadas de nascença ou que sofreram deformidades após um traumatismo. Deve ser considerada como reparadora, quando tenta corrigir um defeito, e ao mesmo tempo estética, pensando-se na busca pela harmonia de forma, volume e posição. Embora esta cirurgia seja muito utilizada para corrigir alterações estéticas, também pode ser feita para tratar defeitos congênitos no canal auditivo.

GRAUS DE INCÔMODO

Existe desde o grau mais leve até o mais grave de orelhas em abano, porém a indicação cirúrgica é baseada no grau de incômodo que o paciente apresenta. Há pacientes com pequenas alterações e grande incômodo. Os graus são baseados na quantidade de alterações anatômicas presentes na orelha em questão. Há também casos de macrotia, em que a pessoa tem as orelhas de tamanho acima do normal, ou seja, orelhas muito grandes. A cirurgia para redução do tamanho da orelha, uma situação chamada popularmente de ‘orelha de abano’, é um tipo de cirurgia plástica que ajuda a melhorar a forma e o posicionamento das orelhas, tornando-as mais proporcional ao rosto.

IDADE MÍNIMA

A idade mínima situa-se entre seis e sete anos de idade. Nessa faixa etária já houve finalização do crescimento das orelhas, de modo que a cirurgia não irá interferir nesse processo. Também coincide com a idade escolar de alfabetização, quando a criança começa a se incomodar com as orelhas proeminentes.

ORELHAS EM HARMONIA COM A FACE

A otoplastia é a cirurgia plástica feita com o objetivo de corrigir as alterações estéticas do formato das orelhas, deixando-as com uma aparência harmoniosa. Ou seja, na Otoplastia, cirurgia tem como base fazer modificações capazes de promover o equilíbrio e a proporção em relação ao seu rosto. Entre as modificações, é possível melhorar a forma, a posição ou a proporção da orelha. E, por menores que sejam essas alterações, os benefícios para a sua aparência e autoestima são incríveis!

INDICAÇÕES

 – Orelhas excessivamente grandes (condição chamada de macrotia);
– Salientes em um ou ambos os lados (popular orelha de abano);
– Assimétricas;
– Já operadas, mas fruto de uma cirurgia que a deixou insatisfeita;
– Com alguma deformidade.

Tudo isso tem solução com a cirurgia Otoplastia, um procedimento simples e realizado até em crianças!

TIPOS

Não há tantas variáveis quando o assunto é tipos de otoplastia. Basicamente, o cirurgião plástico vai fazer uma análise do seu ouvido e dos objetivos que você tem com o procedimento. Dependendo da situação, ele pode optar por extrair ou raspar parte da cartilagem. Isso é possível ser feito pela parte da frente ou atrás da orelha. Em outros casos, uma simples sutura já resolve. Outra possibilidade é quando há ausência parcial ou total da orelha, devido a uma má formação congênita ou um trauma. Isso exige um trabalho minucioso do cirurgião, que usará enxertos de outras partes do corpo do paciente.

ANESTESIA

A anestesia é outra questão importante e pode variar dependendo da situação. No geral, em adolescentes e adultos é usada uma anestesia local com sedação. Em crianças que fazem Otoplastia, anestesia geral leve é a mais usada. Claro que antes de tomar essa decisão, você deve passar em consulta com o médico responsável. Ele tem a irá avaliar suas condições operatórias e indicar o melhor medicamento anestésico.

CICATRIZ

Normalmente, a cicatriz é imperceptível, pois fica localizada na dobra atrás da orelha. Além disso, como se trata de uma região de pele muito fina, a própria marca tende a ficar bem sutil. No caso de ser feita na frente, a cicatriz também fica bem escondida, inserida nos vincos naturais da orelha.

COMO É FEITA

Após o encaminhamento ao centro cirúrgico e a preparação para a sua Otoplastia, anestesia é a primeira etapa do processo. O médico anestesista faz a administração dos medicamentos anestésicos. Ele permanece ao seu lado, monitorando seu quadro clínico, durante todo o procedimento. Em seguida, o cirurgião plástico assume e inicia fazendo a incisão, geralmente localizada na parte de trás da orelha. Nos casos de corrigir as populares orelhas proeminentes, o cirurgião retira parte da cartilagem do pavilhão auricular. Depois, faz suturas internas para proteger e sustentar a cartilagem recém-formada. Tudo isso fará com que os ouvidos fiquem mais próximos da cabeça. Quando é necessária uma incisão na parte frontal, ela é feita dentro das dobras, por exemplo, entre a Escafa e a Anti-hélice. O cirurgião finaliza seu trabalho fazendo as suturas nos pontos externos. Após isso, o curativo é elaborado ao redor da cabeça, como se fosse uma faixa. Deixando a área mais protegida. Após o paciente será encaminhado para a sala de recuperação, na qual deve permanecer sob supervisão médica por cerca de 2 horas. Depois desse período há a liberação para o quarto, no qual deve fica até receber a alta hospitalar.

PÓS-OPERATÓRIO

O procedimento dura poucas horas e o paciente recebe alta ainda no mesmo dia. Por dois ou três dias, deve permanecer com o curativo pós-operatório, popularmente chamado de ‘capacete’, para depois retirá-lo no consultório. Sairá com um curativo do tipo capacete na cabeça que será retirado no consultório, no primeiro retorno. Após a retirada do curativo, o paciente terá que ficar com uma faixa por aproximadamente 30 dias.

COMPLICAÇÕES POSSÍVEIS

As possíveis complicações são infecção local, saída dos pontos e cicatriz hipertrófica ou queloide. Todas elas são condições raras e passíveis de correção até mesmo no consultório. Os resultados são muito satisfatórios e elevam a auto-estima dos pacientes operados.

VANTAGENS

A vantagem da cirurgia de otoplastia é que o resultado não demora muito para aparecer. Logo após a primeira retirada de curativo já é possível ver em torno de 80% do resultado final. Apesar disso, é importante lembrar que a região fica inchada, situação que deve se normalizar em até 3 semanas. Consideramos o resultado final somente após a reabsorção total do inchaço e do amadurecimento da cicatriz. Isso deve acontecer em cerca de 6 meses. É claro que os resultados de uma otoplastia de reconstrução, ou seja, mais extensa, demoram mais para aparecer. Porém são casos específicos e o próprio cirurgião vai passar as devidas orientações.

BENEFÍCIOS PSICOLÓGICOS

Os benefícios psicológicos a partir da cirurgia de correção de orelha de abano são gigantescos. Isso não tem preço. É a medicina a serviço da estética, do bem-estar e do equilíbrio emocional no mesmo procedimento.

Agência Digital em Florianópolis