ELETRODERME CAPILAR

QUEDA DE CABELO & RESTAURAÇÃO CAPILAR

Muitas são as técnicas e tendências utilizadas para prevenir e até mesmo reverter os males que acometem o crescimento capilar. Todas possuem uma especificidade relacionada ao tempo de tratamento, tipo de paciente e sobretudo quais tipos de problema solucionam. Uma das mais recentes, e que confere mais resultados, se chama Microagulhamento. A radiofrequência microagulhada é um procedimento utilizado para o tratamento de várias causas de queda de cabelo e também para a restauração capilar.

CONHEÇA O MÉTODO

O Eletroderme Capilar estimula o crescimento dos fios de cabelo por 3 mecanismos:
1. Microinjurias
2. entrega de medicamento em camadas mais profundas do couro cabeludo.
3. Ondas de radiofrequência que ajudam a estimular as células do folículo capilar.

O Eletroderme foi desenvolvido para o tratamento e volumização da derme média, onde produz diminutos pontos de coagulação e efeito térmico sem nenhuma interação com a epiderme. Desta forma, as agulhas passam pele superfície da pele sem efeito térmico, apenas emitindo elétrons quando alocadas no ponto ideal de ação. Além disso, possui um potente sistema eletromagnético que torna super-rápida a impulsão das agulhas, proporcionando procedimentos poucos doloridos. A entrega de energia se faz no ponto exato onde se objetiva. Essas agulhas penetram a pele de forma praticamente indolor e estimulam o colágeno presente no local. A radiofrequência microagulhadaEletroderme é a tecnologia atual mais desejada pela dermatologia pois age em diversas queixas. Tem grande vantagem em relação aos rollers pois a onda de radiofrequência estimula mais o colágeno e a sua penetração ajustável permite atingir vários níveis de profundidade na pele.

O SEGREDO POR TRÁS DA TECNOLOGIA

Mas de que forma o microagulhamento contribui para estimular o crescimento dos cabelos? O segredo está no trauma causado pela agulha, que resulta em uma vascularização (formação de vasos sanguíneos) no couro cabeludo. Fatores de crescimento, que compõem as plaquetas presentes no sangue, também são estimulados. A técnica foi apresentada no Congresso Brasileiro de Cirurgia Dermatológica como eficiente alternativa para resolver a queda de cabelo e a calvície. Desde então o microagulhamento capilar tem sido continuamente usado e tem mostrado excelentes resultados. Serve para tratar problemas nutricionais, hereditários e até mesmo causados pelo uso errado de tratamentos químicos (alisamentos, tinturas e relaxamento) combatendo diversos tipos de queda e de enfraquecimento capilar. Indicado para o tratamento de calvície, promovendo a multiplicação dos fios capilares, pode ser utilizado tanto em homens quanto em mulheres. O sangue coagulado após o processo possui seis fatores de crescimento que estimulam a proliferação de mais fios capilares. Depois das agulhas, é colocada uma touca estéril no paciente, que poderá ser retirada após seis horas da sessão.

BENEFÍCIOS

 Benefícios do microagulhamento:
– Prevenção a calvície;
– Acelera absorção de ativos;
– Acelera o tempo de resposta do tratamento;
– Estimula proteínas que favorecem o crescimento.

Dessa forma atingem as células germinativas, criando condições ideais para a formação de novos fios e otimizando o tratamento. Os resultados são rápidos e positivos, no entanto podem variar de acordo com cada paciente. Outra vantagem do Eletroderme é a entrega de medicamentos na pele, (Drug delivery) pois ao abrir canalículos no momento da sessão podemos permear medicamentos e ativos para melhorar e otimizar os nossos resultados. Após a anestesia, é feito o microagulhamento com o aparelho, ele nada mais é do que uma caneta elétrica, na qual é encaixada uma ponteira estéril. Essa ponteira é a responsável por fazer pequenos furos na pele, cada um com até dois milímetros, essa profundidade garante mais segurança no processo e diminui os riscos de complicações, pois acelera o tempo de cicatrização. O procedimento é indicado para pessoas diagnosticadas com alopecia androgenética, caracterizada pela perda de fios do couro cabeludo, o que pode levar à calvície. Também é ideal para quem possui efluvio telógeno, uma condição reversível em que a queda acontece após uma experiência estressante. Embora o tratamento não possua restrições quanto a idade ou sexo do paciente é de suma importância que antes ele faça uma avaliação. É nessa avaliação que se define se o paciente realmente precisa do microagulhamento ou de outro tratamento. Para ter bons resultados, são necessárias cinco sessões, realizadas uma vez por mês, já que é importante ter um tempo de descanso e cicatrização entre uma e outra. Se você sofre com problemas de queda de cabelo e se interessou pela ideia do microagulhamento capilar, o primeiro passo é conversar com o seu dermatologista para descobrir se é um bom candidato ao tratamento. Para isso, são necessários alguns exames e a avaliação do médico dermatologista. O objetivo da consulta será detectar o tipo de queda capilar. E você, o que achou da técnica de microagulhamento capilar? Faria o procedimento?

Agência Digital em Florianópolis