TUNELIZAÇÃO DÉRMICA

TRATAMENTO EFETIVO E SEGURO

A medicina vem avançando muito e, cada vez mais, surgem novas opções para correção de imperfeições e para rejuvenescimento da pele. A utilização de agulhas está sendo aprimorada para alcançar resultados ainda mais eficazes. Uma técnica recente, que vem apresentando excelentes resultados, é a Tunelização Dérmica (TD), muito utilizada para correção de cicatrizes profundas. A técnica foi desenvolvida pelo dermatologista Dr. Emerson de Andrade Lima, que criou uma sequência autoral para correções cosméticas. Apesar de recente, a TD é considerada um tratamento efetivo, seguro e passível de ser reproduzido.

FIBROSE E ‘BURACOS’ NA PELE

Quando há um machucado, uma ruga ou um processo inflamatório, como é o caso da acne, pode ser que, na regeneração do tecido, a pele crie um depósito de células cicatrizantes, a fibrose, que é mais dura. São as traves de fibrose que “puxam” a pele para baixo e causam a depressão, aqueles “buracos” na pele.

OBJETIVO DO TRATAMENTO

A intenção do procedimento é que, com a agulha, o dermatologista consiga romper estas fibras cicatrizadas e incentive a formação de novo colágeno. O processo causa algum sangramento, mas, como é realizado com anestesia, não é doloroso.

TRATAMENTO PARA CICATRIZES DEPRIMIDAS E RUGAS

A tunelização é o tratamento de cicatrizes deprimidas e rugas. O procedimento permite a liberação de traves fibróticas e o estímulo na produção de colágeno sem remover a epiderme, favorecendo uma melhoria de textura e coloração na área tratada. Esse procedimento tem sua indicação ampliada a todos os tipos e cores de pele e pode ser utilizado não apenas na face, mas também em áreas de menor concentração de glândulas sebáceas.

REGENERAÇÃO DA PELE, MAIS LISA E UNIFORME

A Tunelização Dérmica é realizada de forma ambulatorial, em sala de procedimento, com anestesia local. Utiliza-se uma agulha de aspiração. O objetivo do procedimento é romper as traves de fibrose subcutâneas para estimular a regeneração da pele, mais lisa e uniforme. A intenção do procedimento é que, com a agulha, o dermatologista consiga romper estas fibras cicatrizadas e incentive a formação de novo colágeno. O processo causa algum sangramento, mas, como é realizado com anestesia, não é doloroso.

COMO É FEITA

O instrumento utilizado para estimular a produção de colágeno é uma agulha estéril de aspiração. O utensílio é introduzido por via trans epidérmica até a derme, em um trajeto canalicular, que rompe as traves de brose existentes e cria túneis dentro da derme alterada. As fibroses subcutâneas abaixo das cicatrizes são rompidas com o instrumento cirúrgico e assim, todo aquele aspecto irregular da pele passa a ficar mais atenuado e uniforme, induzindo a produção de colágeno, o que torna a pele mais macia e uniforme. A área a ser tratada é demarcada e higienizada previamente. Pode ser que se formem hematomas na região e que ocorra sangramento nos orifícios pelos quais as agulhas foram inseridas. O sangramento é controlado pela compressão com algodão estéril. Não é preciso fazer suturas, pois a lesão na pele, ocasionada pela agulha, é menor do que um milímetro. Somente é preciso protegê-las com ta microporosa, que permite a transpiração da pele. Em cerca de 12h ou 24h essa proteção pode ser removida para a higienização da região tratada. A limpeza deve ser feita com água e sabão. Não há necessidade de reaplicar o curativo.

RECOMENDAÇÕES PÓS PROCEDIMENTO

É recomendado evitar a exposição solar e aplicar um filtro protetor tonalizado no período pós-operatório. Nos três dias subsequentes, o edema poderá aumentar. Os hematomas somem em até uma semana, porém, caso nódulos surjam no local, é preciso aguardar um mês para que desapareçam. Em muitos casos, uma abordagem cirúrgica basta para que o organismo estimule a produção de colágeno em benefício da pele. Mas há situações em que pode ser indicada sua repetição, depois de transcorridos alguns meses. O dermatologista avalia essa necessidade de acordo com o grau do problema a ser tratado e do resultado alcançado na primeira vez. Caso o procedimento seja realizado na face, o mais adequado é fazê-lo quando a agenda estiver livre de eventos sociais e compromissos semelhantes.

INDICAÇÕES

 – Cicatrizes deprimidas e profundas de acne;
– Outras Cicatrizes deprimidas e aderidas a tecidos profundos;
– Tratamento de estrias;
– Fotoenvelhecimento;
–  Cicatrizes deprimidas da face (cirúrgicas, traumáticas);
– Rugas estáticas, principalmente na região entre as sobrancelhas.
– Celulite de grau avançado.

CONTRA-INDICAÇÕES

 – Gestantes.;
–  Pacientes em uso de anticoagulantes.

TEMPO DE PROCEDIMENTO

30 minutos.

DESCONFORTO

É realizado bloqueio anestésico da região tratada.

REAÇÕES ESPERADAS

 – Hematoma (manchas roxas) no local do procedimento são esperados, e regridem entre 10 – 15 dias.
–  Edema (inchaço) varia de leve a moderado no dia do procedimento e no dia seguinte.
–  A maquiagem é liberada no dia já no dia do procedimento.

CUIDADOS PÓS-PROCEDIMENTO

 – Usar filtro solar pela manhã e reaplicar a cada 2 horas;
–  Não se expor ao sol até a regressão completa dos hematomas.

TEMPO DE RETORNO AS ATIVIDADES HABITUAIS

De dois a três dias, sendo necessário maquiar a área pela presença dos hematomas (manchas roxas). Os tratamentos são individualizados e devem ser discutidos e programados na consulta médica. A combinação com outros procedimentos pode ser necessária para atingir um melhor resultado no tratamento.

Agência Digital em Florianópolis